betway

A educação de Sobral foi destaque, nesta segunda-feira (17/07), em nova reportagem especial veiculada pelo jornal Diário do Nordeste, em comemoração aos 250 anos do município. Intitulado “Em Sobral, desenvolvimento de habilidades socioemocionais é diferencial na educação”, o texto destaca como a aplicação das competências auxilia crianças e adolescentes da rede municipal de ensino em seu dia a dia.

A matéria ressalta: “desde 2018, termos como autogestão, engajamento com os outros, amabilidade, resiliência emocional e abertura para o novo foram incorporados à rotina dos estudantes da educação integral, resultando em melhorias nas relações interpessoais, benefícios para a saúde física e mental, e preparando os jovens para os desafios presentes e futuros”.

A reportagem conversou com a gerente das Competências Socioemocionais da Secretaria da Educação de Sobral, Maiara Melo. "O trabalho com as competências socioemocionais promove o aprendizado e o desenvolvimento dos estudantes, pois, em conjunto com o desenvolvimento cognitivo, garante uma educação integral. Os resultados são um ambiente harmonioso, respeitoso e propício para o aprendizado. Isso se traduz como o desenvolvimento integral dos estudantes. As transformações podem ocorrer no médio e/ou longo prazo", afirmou.

A implementação das competências socioemocionais nas escolas municipais de Sobral acontece por intermédio dos orientadores educacionais, que são psicólogos de formação. No total, 45 psicólogos atuam como orientadores educacionais nas 55 escolas de ensino fundamental do município. Através de acolhimento e projetos de acompanhamento, o orientador oferece suporte aos professores e também colabora com a gestão na tomada de decisões.

Para o Diário do Nordeste, Jocélia Lira, orientadora educacional da Escola de Tempo Integral Edgar Linhares, ressaltou a importância do trabalho além dos limites escolares. "A atuação do orientador educacional segue o modelo da matriz do Instituto Ayrton Senna, no qual são trabalhadas competências emocionais juntamente com o conteúdo cognitivo. O orientador, em conjunto com o professor e o coordenador, define quais competências serão trabalhadas na escola, levando em consideração o perfil e as necessidades de cada comunidade”, explica.

"O orientador educacional também presta apoio às famílias. Ele é uma figura presente na escola, responsável por acolher todos os envolvidos, ouvir suas necessidades e, a partir disso, trabalhar para resolvê-las", comenta Jocélia Lira ao jornal.

O texto reforça ainda o impacto social que a aplicação das competências socioemocionais têm na vida dos estudantes: "aproximar os alunos de conceitos como empatia, respeito e diálogo não se limita ao ambiente escolar, mas se estende ao entorno. No cotidiano escolar, o trabalho de desenvolvimento de competências socioemocionais gera resultados significativos".

Confira a matéria na íntegra: AQUI 
Episódio 2 do especial Cidade em Festa AQUI

Facebook
YouTube
betway Mapa do site